4 passos para uma boa gestão financeira do seu condomínio

Se ponha no lugar do síndico por um instante: você precisa lidar com morador que reclama do pet do vizinho que exala um cheiro forte, tem o condômino do 5º andar que reclama do fumante do andar de baixo, tem o fulano que reclama do barulho do bar da esquina e entre tantas reclamações dos residentes, você ainda precisa fazer compras, gerar e receber boletos, pagar as contas, gerenciar a portaria, aplicar bem o dinheiro e por aí vai.

Síndico é uma das ocupações mais complicadas porque exige muita habilidade de negociação e pacificação dentro do condomínio. Além disso, uma das principais dores de cabeça dessa posição é a administração do dinheiro de cada condômino.

Você precisa organizar a vida financeira de um conjunto de inquilinos que apostaram na sua administração para melhorar um dos aspectos do seu dia-a-dia: a moradia. Segue conosco que vamos dar o passo-a-passo para você organizar as finanças do seu condomínio.

1º  Passo – refletir sobre a situação atual e prioridades

A transição da administração entre síndicos precisa ser organizada. O ideal seria ambos os síndicos (eleito e em atuação) sentarem com a documentação e as finanças do condomínio e analisarem o que deve ser feito a priori.

Depois de feito esse levantamento das prioridades para a gestão eleita, você vai saber:

  • Quais são as contas a pagar;
  • Se existem contas em atraso ou não;
  • Qual a ordem de importância de cada pagamento; e
  • Qual o capital de giro que será necessário para manter as contas da casa em ordem.

2º Passo – planejamento

Com o conhecimento gerado a partir da reflexão anterior você vai conseguir elaborar estratégias para a gestão das finanças. O segundo passo é listar as ações que precisarão ser realizadas e qual o prazo para a conclusão de cada tarefa.

O planejamento deve te guiar na resolução de problemas financeiros e dar segurança a você na hora de apresentar essas prioridades para os inquilinos na próxima assembléia.

É crucial a organização desses afazeres em uma planilha ou uma plataforma para que você possa consultar o status de realização frequentemente e que você possa transmitir a confiança que os condôminos necessitam.

3º Passo – escutar o condômino

Cada um dos moradores do condomínio tem suas próprias exigências e prioridades e é preciso avaliar em conjunto, como um todo, quais serão as principais medidas e investimentos que serão aplicadas. Cabe ao síndico organizar as exigências e tomar as decisões em benefício de todos.

4º Passo – avaliar mudanças e aplicá-las

Depois de organizado as prioridades já é possível colocar a mão na massa, resolver os problemas e começar a pensar em melhorias para o condomínio:  encontrar fornecedores mais baratos ou de melhor qualidade, pensar numa solução econômica e segura para a portaria, avaliar se vale a pena terceirizar o serviço de limpeza do conjunto, etc.

É nessa fase que cada investimento deve ser estudado minuciosamente e entender que mudanças trarão mais qualidade de vida de maneira sustentável ao condomínio.

Você concorda com esses passos? Acrescentaria mais algum passo essencial para a gestão financeira de condomínios? Mande a sua sugestão e feedback através dos nossos contatos, clicando aqui.

WhatsApp chat